Flúor

Manjericão Santo: Remove o Flúor da Água e Beneficia a Glândula Pineal

Postado em Atualizado em

Uma planta chamada Tulsi, ou Manjericão Santo (Ocimum Tenuiflorum), que cresce por toda a Índia pode ser apenas outra resposta para retirar o flúor da água em países pobres em todo o mundo. Cientistas da Universidade de Rajasthan descobriram que o Tulsi pode substituir algumas das alternativas mais caras para a remoção de flúor.

fluoride pineal gland.jpg
Os investigadores conduziram o experimento em uma aldeia de Narketpally, imergindo 75 mg de folhas de manjericão santo em 100ml de água que tinha mais de 7 partes de flúor por milhão de água. Após a imersão das folhas em água durante apenas 8 horas, o flúor foi reduzido para apenas 1,1 partes por milhão. A Organização Mundial de Saúde diz que os níveis “seguros” de flúor na água não são mais do que uma parte por milhão.

Com a recente admissão da Universidade de Harvard que o flúor é ruim para a saúde, e as notícias continuadamente apontam para o flúor sendo responsável por esgotar a capacidade do cérebro causando déficit de atenção, ou mesmo calcificando a glândula pineal, (que inibe importantes secreções hormonais como a melatonina e serotonina, e DMT), é uma notícia maravilhosa de que um remédio tão simples foi encontrado.

Leia o resto deste post »

Comida Industrializada – Veneno no seu prato

Vídeo Postado em Atualizado em

Alex Jones explica como a comida é adulterada através do uso de aditivos químicos, os efeitos desses aditivos no organismo, e qual o real motivo que isto é feito.
Também apresenta os principais aditivos utilizados no mercado, que poderiam ser classificados como veneno, além de abordar transgênicos, flúor e outros assuntos.

veneno-no-prato
Leia o resto deste post »

As 4 Toxinas Mais Perigosas para o Cérebro

Postado em

Uma mente saudável é uma coisa terrível de se perder, mas devido a produtos químicos sintéticos, a ameaça de destruição da função cerebral está sempre presente. Estes são, potencialmente, os criminosos mais ofensivos para a mente, mas a boa notícia é que existem maneiras fáceis de evitá-los.

Cérebro Toxinas

Flúor

A decisão de adicionar flúor para a maioria dos sistemas de água potável pública como uma forma de combater a cárie dentária, possivelmente teve o efeito mais insidioso e generalizado sobre os cérebros das pessoas em todo os EUA e muitos outros países como o Brasil.

A Fluoride Action Network (FAN) relatou em um estudo que constatou que o flúor está ligado ao QI mais baixo, mesmo com as faixas adicionadas ao abastecimento de água nos Estados Unidos. Ao todo, a FAN disse agora que 34 estudos associam o flúor com a diminuição dos níveis de QI em humanos, enquanto muitos outros estudos ligam o flúor à aprendizagem e perda de memória, danos ao cérebro fetal e função neurocomportamental alterada.
Leia o resto deste post »

Um veneno chamado Flúor

Postado em Atualizado em

 

fluor03

flú.or – [ˈfluɔr]
nome masculino

QUÍMICA – Elemento gasoso com o número atômico 9 e símbolo F, amarelo-esverdeado, muito venenoso e de cheiro intenso
flúor in Dicionário da Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2016. Disponível na Internet:
http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/flúor

Durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de inocentes foram exterminados nos campos de concentração nazistas. Entre as várias técnicas de extermínio, as câmaras de gás envenenavam o ar e o destino dos corpos era os fornos (crematórios de guerra). Para controlar a agitação e rebeliões dos prisioneiros, os cientistas encontraram um método simples: descobriram que repetidas doses de flúor em quantidades muito pequenas afetam o cérebro, envenenando e narcotizando lentamente as pessoas tornando-as submissas. Os comandantes dos campos alemães ordenaram a adição do produto químico na água.
No final da guerra, os Estados Unidos encarregaram Charles Eliot Perkins, um pesquisador especializado em química, patologia e fisiologia, de estudar a técnica de controle da mente. Em sua pesquisa na Alemanha, Perkins obteve várias conclusões assustadoras. Informou que “quando os nazistas, sob as ordens de Hitler, decidiram atacar a Polônia, cientistas e militares alemães e russos trocaram informações. Os russos adotaram o esquema de controle de massa através da medicação, porque se adaptava perfeitamente aos seus planos.”
Um dos maiores combatentes, o americano e doutor em química, Paul Connett, tem uma das mais abrangentes pesquisas sobre o tema disponível no sítio www.fluoridealert.org. Nas “50 razões para opor-se à fluoretação”, ele confirma: “O flúor é biologicamente ativo mesmo em baixas concentrações. Ele interfere com os ligamentos de hidrogênio, que é o centro da estrutura e funções das proteínas e ácidos nucléicos. Assim, tem o potencial de provocar distúrbios no processo vital do organismo” Leia o resto deste post »