LinkedIn foi bloqueado na Rússia

Postado em

A Rússia ordenou esta quinta-feira, 17 de novembro, o bloqueio da rede social LinkedIn. Este é o primeiro site a ser proibido após a aprovação de uma lei, em vigor desde 2015, que impõe às empresas de Internet o armazenamento dos dados pessoais no território russo.
linkedIn russia.jpg
A medida foi determinada por um tribunal em agosto e confirmada após um recurso a 10 de novembro.

A empresa americana, que permite estabelecer contactos profissionais e procurar emprego, denunciou uma decisão que afeta “milhões de utilizadores” russos e mostrou-se disposta a reunir-se com as autoridades.

A questão dos dados pessoais e o seu uso suscita o debate por todo o mundo, mas é especialmente delicada na Rússia, onde as autoridades introduziram nos últimos anos várias leis que reforçam o controle sobre a Internet e as redes sociais, ferramentas vitais para a oposição russa.

Muito criticada pelos atores do setor tecnológico, a lei aplicada ao LinkedIn obriga os serviços de mensagens, os sites de busca e as redes sociais estrangeiras a armazenarem na Rússia os dados pessoais dos utilizadores russos.

A empresa norte-americana, que recebeu uma proposta de compra pela Microsoft, afirma ter mais de 467 milhões de utilizadores no mundo, seis milhões na Rússia.

O Kremlin negou as acusações de censura no caso do LinkedIn. Segundo o porta-voz da presidência, Dmitri Peskov, o organismo regulador das telecomunicações, encarregado de aplicar a sentença, “age seguindo a lei estritamente”.

Esta agência reguladora já avisou várias vezes grupos como Facebook e Twitter que deviam aplicar a nova lei sem, até ao dia de hoje, lhes ser imposta uma sanção.

Desde o regresso de Vladimir Putin ao Kremlin em 2012, o endurecimento da legislação gerou textos como o que obriga os provedores de Internet e as redes sociais a armazenarem as mensagens, ligações e dados dos seus utilizadores durante seis meses.

Fonte

Anúncios