Panama Papers: Dados sigilosos da Mossack Fonseca vazaram para jornal alemão

Postado em Atualizado em

Mais de um ano atrás, uma fonte anônima em contato com o Süddeutsche Zeitung (SZ) apresentou documentos internos criptografados da Mossack Fonseca, uma empresa de advocacia panamenha que vende empresas offshore anônimas em todo o mundo. Estas empresas de fachada permitem aos seus proprietários encobrir seus negócios, não importa o quão obscuro.

ZI0uF8sNos meses que se seguiram, o número de documentos continuaram a crescer muito além do vazamento inicial. Em última análise, o SZ adquiriu cerca de 2,6 terabytes de dados, tornando o vazamento o maior que os jornalistas jamais tinham trabalhado. A fonte não queria nem compensação financeira nem qualquer outra coisa em troca, além de algumas medidas de segurança.

Os dados fornecem insights raros em um mundo que só pode existir nas sombras. Isso prova como uma indústria global liderada por grandes bancos, escritórios de advocacia e empresas de gestão de ativos, secretamente administra as propriedades do mundo dos rico e famosos: de políticos, funcionários da FIFA, fraudadores e contrabandistas de drogas, de celebridades e atletas profissionais.

Um esforço de grupo

O Süddeutsche Zeitung decidiu analisar os dados em cooperação com o Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). ICIJ já coordenou a pesquisa com projetos anteriores que o SZ também estava envolvido, entre eles vazamentos OffShore, Swiss Leaks e Lux Leaks. Panamá Papers é o maior na cooperação internacional de seu tipo. Nos últimos 12 meses, cerca de 400 jornalistas de mais de 100 organizações de mídia em mais de 80 países tomaram parte em pesquisar os documentos. Estes incluíram equipes do Guardian e da BBC na Inglaterra, Le Monde, na França, e o La Nación na Argentina. Na Alemanha, os jornalistas SZ têm cooperado com os seus colegas de dois canais públicos, NDR e WDR. Jornalistas do suíço Sonntagszeitung e o austríaco semanal Falter também trabalharam no projeto, assim como os seus colegas da ORF, emissora pública nacional da Áustria. A equipe internacional inicialmente se reuniu em Washington, Munique, Lillehammer e Londres para mapear a abordagem de pesquisa.

U4tG5ccOs dados

Os Papéis do Panamá incluem cerca de 11,5 milhões de documentos – mais do que o total combinado do Wikileaks Cablegate, vazamentos Offshore, vazamentos Lux, e vazamentos suíços. Os dados compreendem principalmente e-mails, arquivos PDF, arquivos de fotos e trechos de uma base de dados interna Mossack Fonseca. Ele abrange um período que vai desde 1970 até a primavera de 2016.

Além disso, os jornalistas conferiram um grande número de documentos, incluindo cópias dos passaportes. Cerca de dois anos atrás, um denunciante já tinha vendido os dados internos da Mossack Fonseca às autoridades alemãs, mas o conjunto de dados eram muito mais velhos e menor no escopo: enquanto ele dirigida a algumas centenas de empresas offshore, os Documentos de Panamá fornecem dados sobre aproximadamente 214.000 empresas. Na esteira da compra de dados, nos últimos anos os investigadores procuraram as casas e escritórios de cerca de 100 pessoas. O Commerzbank também foi invadido. Como consequência das suas relações comerciais com a Mossack Fonseca, Commerzbank, HSH Nordbank, e Hypovereinsbank concordaram em pagar multas de cerca de 20 milhões de euros, respectivamente. Desde então, outros países também adquiriram dados a partir do vazamento inicial menor, entre eles os Estados Unidos, Reino Unido e Islândia.

O sistema

Os dados vazados estão estruturados da seguinte forma: Mossack Fonseca criou uma pasta para cada empresa. Cada pasta contém e-mails, contratos, transcrições e documentos digitalizados. Em alguns casos, existem vários milhares de páginas de documentação. Em primeiro lugar, os dados tiveram de ser sistematicamente indexados para tornar a busca neste mar de informações possível. Para este fim, o Süddeutsche Zeitung Nuix utilizou o mesmo programa que os investigadores internacionais trabalharam. Süddeutsche Zeitung e ICIJ carregaram milhões de documentos em computadores de alto desempenho. Eles aplicaram reconhecimento ótico de caracteres (OCR) para transformar dados legíveis por máquina e fácil de pesquisar os arquivos. O processo virou imagens – tais como IDs digitalizados e contratos assinados – em texto pesquisável. Este foi um passo importante: permitiu que os jornalistas buscassem através de uma grande parte do vazamento quanto possível, utilizando uma máscara de busca simples, semelhante ao Google.

Os jornalistas compilaram listas de políticos importantes, criminosos internacionais e atletas profissionais bem conhecidos, entre outros. O processamento digital tornou possível, em seguida, procurar o vazamento para os nomes nestas listas. A lista do escândalo de “doações partidárias” continha 130 nomes, e lista as sanções da ONU em mais de 600. Em poucos minutos, o poderoso algoritmo de busca comparava as listas com os 11,5 milhões de documentos.

K4DdbLO

A pesquisa

Para cada nome encontrado, um processo de investigação detalhada foi iniciada, que colocou as seguintes questões: qual é o papel desta pessoa na rede de empresas? De onde vem o dinheiro? Para onde vai? Esta estrutura é legal?

De um modo geral, possuir uma empresa offshore não é ilegal em si. Na verdade, o estabelecimento de uma empresa offshore pode ser vista como um passo lógico para uma ampla variedade de operações comerciais. No entanto, um olhar através dos Documentos de Panamá revela muito rapidamente que esconder as identidades dos verdadeiros proprietários da empresa foi o principal objetivo na grande maioria dos casos. Desde o início, os jornalistas tiveram seu trabalho cortado para eles. Os prestadores de empresas offshore – entre eles bancos, advogados e consultores de investimento – muitas vezes mantinham os nomes de seus clientes em segredo e usavam proxies. Por sua vez, as faixas dos proxies, em seguida, levavam a chefes de estado, funcionários importantes, e milionários. Ao longo do projeto internacional, os jornalistas cooperaram uns com os outros para investigar milhares de ligações: eles examinaram provas, estudaram contratos, e conversaram com especialistas.

Entre outros, os clientes Mossack Fonseca  incluem criminosos e membros de vários grupos da máfia. Os documentos também expõe escândalos de suborno,  chefes de Estado e de governos  corruptos. As supostas empresas offshore de doze cabeças atuais e antigos de Estado tornam-se uma das peças mais espetaculares da fuga, assim como os links para outros líderes, e para as suas famílias, assessores mais próximos e amigos. O escritório de advocacia do Panamá também conta quase 200 outros políticos de todo o mundo entre os seus clientes, incluindo um número de ministros.

A empresa

A empresa no centro de todas essas histórias é a Mossack Fonseca, um provedor Panamenho de empresas offshore com dezenas de escritórios em todo o mundo. Ela vende suas empresas de fachada em cidades como Zurique, Londres e Hong Kong – em alguns casos, a preços de pechincha. Os clientes podem comprar uma empresa anônima para tão pouco como USD 1.000. No entanto, a este preço é apenas uma concha vazia. Por uma taxa extra, Mossack Fonseca fornece um falso diretor e, se desejado, esconde o verdadeiro acionista da empresa. O resultado é uma empresa offshore cuja finalidade e estrutura de propriedade verdadeira é indecifrável do lado de fora. Mossack Fonseca fundou, vendeu, e conseguiu milhares de empresas. Os documentos fornecem uma visão detalhada de como a Mossack Fonseca rotineiramente aceita a se envolver em atividades que potencialmente violem as sanções, além de auxílio e cumplicidade à evasão fiscal e lavagem de dinheiro.

Sobre o Süddeutsche Zeitung

Com sede em Munique, Süddeutsche Zeitung (SZ) é um dos principais jornais da Alemanha. SZ têm um público total de 4,4 milhões de euros para a sua mídia impressa e on-line. Sua equipe de jornalismo investigativo conta cinco pessoas, três das quais são membros do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ). O Süddeutsche Zeitung ganhou uma série de prêmios de prestígio para o seu trabalho de investigação. Sua equipe tem colaborado com outras organizações de mídia em uma série de projetos, incluindo vazamentos OffShore, Swiss Leaks e Lux Leaks, que o ICIJ coordenou. No início de 2015, uma fonte anônima começou a enviar os dados ao Süddeutsche Zeitung da Mossack Fonseca, fornecedora de empresas offshore. Isto marcou o início do projeto Panama Papers.

pnmppr05

Fonte
Referência

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s